Destaques Notícias da Diocese

Carta aberta aos padres: em obediência à continuidade dos templos fechados

Caríssimos Filhos no ministério ordenado,

Graça e paz!

Misteriosamente nós estamos vivendo uma espiritualidade do advento dentro do tempo pascal.

O momento nosso é de esperança, de uma noite que estamos aguardando o sol raiar. Momento de aquietar o coração para a experiência profunda do Deus Vivo que permanece conosco. O suportar a ausência é um dos momentos mais difíceis, mas neste instante é um dos mais necessários.

Preciso lembrar-lhes que agora, tudo deve ser redescoberto a partir da PRUDÊNCIA, palavra pequena e que de forma sucinta, pede-nos uma postura de homens maduros. Você já me ouviu dizer diante da presença eucarística, que na “aparente ausência”, encontra-se a plenitude da presença. Na aparente imobilidade, a plenitude do encontro. Devemos, portanto, “ser como Maria, sentar aos pés do Mestre, e escolher a melhor parte”.

Somos homens do Espírito meus irmãos, e por isso, não somos chamados a nos adiantarmos nem nos atrasarmos ao Espírito! Somos chamados a ser conduzidos por Ele.

Sejamos sábios, pois nada em exagero irá expressar a verdade que Cristo nos pede para anunciar. A OBEDIÊNCIA vai testemunhar que não estamos em busca de “atrativos”, que pouco evangelizam e sim, descontextualizam a nossa consciência cristã em defesa da vida e do cuidado com a mesma. Não é hora de nos basearmos em adornos, se o pedido da Igreja é que permaneçamos em UNIDADE e sobretudo, em nossas casas.

Meus irmãos, não é hora de apostarmos no mero devocionismo! Precisamos usar nossa criatividade para ficar um pouco mais dentro do coração D’Aquele que é a razão de nossas vidas. Não podemos reafirmar para o povo com determinadas atitudes que eles estão órfãos, quando nosso povo precisa sair às ruas e arriscar a saúde para ver a presença de Jesus Eucarístico.

As igrejas não precisam estar abertas para dizer da nossa acolhida e sensibilidade. O povo nos entende muito mais do que imaginamos, sabe do nosso desejo de estarmos juntos e podermos celebrar os sacramentos com eles. Porém agora, independente do que os Decretos Municipais sinalizem, os especialistas em saúde insistem e a Igreja reafirma que é um ato de CONSCIÊNCIA prevenir.

Se Jesus veio para Vida e nos concede em abundância a mesma, não podemos criar espaços de possível contaminação e sem cuidado pelos que estão mais vulneráveis. Assim, concluímos que se TODOS ainda não podem estar nas celebrações nesse momento, esperemos o tempo oportuno de TODOS, “para que nenhum deles se perca”. Em breve cantaremos todos juntos com o salmista: “Que alegria quando ouvi que me disseram, vamos a casa do Senhor”.

É preciso paciência. Daqui a pouco tudo vai passar! É hora de sentar com o Senhor no cômodo mais íntimo de sua casa e ficar com ele. E este momento que ele está dando para nós, corremos o risco de passar a nossa vida sem perceber que o Único necessário morou em nós. Se puder, fique em casa! A única forma de vencermos este vírus é com o isolamento social.

O tempo é de simplicidade, de acolher o silêncio e o mistério que não alcançamos muito bem. Assim como a onda precisa recuar para tomar impulso e ir mais longe, esse é o nosso momento. Estar consigo mesmo para daqui a pouco se dar em plenitude e o máximo que você pode.

Que Nossa Senhora do Silêncio nos acompanhe nesta travessia! Fiquem em paz!

† Aloísio Vitral

Bispo de Sete Lagoas

 

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Aloísio Vitral

Quinto Bispo da Diocese de Sete Lagoas, empossado para essa Igreja Particular no dia 16 de Dezembro de 2017.

Agenda Diocesana

Share This