Destaques Igreja no Mundo

Dia do Índio: “página viva da história”

Hoje, 19 de abril, comemora-se o Dia do Índio, para recordar a data, ouvimos a palavra de Dom Roque Paloschi, arcebispo da Arquidiocese de Porto Velho, em Rondônia, que há muitos anos está comprometido com a defesa do meio ambiente e os direitos das populações indígenas

Para recordar o Dia do Índio, comemorado todos os anos no dia 19 de abril, temos vários eventos dedicados à valorização da cultura indígena. Porém, deve ser principalmente um dia de reflexão sobre a importância da preservação dos povos indígenas, da manutenção de suas terras e respeito às suas manifestações culturais.

Ouça o que Dom Roque Paloschi, arcebispo da Arquidiocese de Porto Velho, em Rondônia tem a nos dizer. Há muitos anos Dom Roque está comprometido na defesa do meio ambiente e os direitos das populações indígenas.

Consciência dos povos indígenas

Dom Roque inicia se perguntando “O que comemoramos no Dia do Índio?”, depois de expor as dificuldades atuais das populações indígena brasileira, o arcebispo afirma que “temos sim o que comemorar”: “A consciência dos povos indígenas”, acrescentando que “são 519 anos de resistência e que confiam em manter o que conquistaram com tanto sofrimento”.

Dom Roque continua dizendo que “é interessante esta consciência nas comunidades indígenas de resistir à avalanche de destruição dos direitos duramente conquistados na Constituição da Cidadania de 1988”. O arcebispo de Roraima faz questão de lembrar que “na ocasião, um grande jurista brasileiro disse: ‘Foi a maneira que o Estado brasileiro quis pagar essa dívida histórica’, porque até então os povos indígenas sempre foram vistos como uma população que precisava de tutela”.

Pequena semente que não morre

Dom Roque recordou o “Acampamento Terra Livre” que é a maior mobilização nacional que reúne, há 15 anos, na capital federal, representantes de povos indígenas de todo o Brasil, e que neste ano tem a previsão da presença de 3 mil lideranças indígenas. Essa presença é importante para fazer incidências junto às instituições governamentais pelos seus direitos. “E isso tem surtido efeito? Sim, acreditamos que sim” continua Dom Roque, “essa pequena semente dá esperança a esses povos, por mais que tenham sido massacrados, ela não morre”. “E isso é uma grande lição para todos nós”.

Dom Roque conclui “que tenhamos essa consciência que Papa Francisco colocou de maneira magistral sobre os indígenas. “São para nós, essa riqueza, essa página viva da história, que nos mostra essa relação harmoniosa com a criação e com a casa comum”. “Que verdadeiramente os povos indígenas possam ter os seus direitos respeitados e sobretudo a dignidade que buscam ter”.

FONTE :VATICANEWS

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Share This