Destaques Igreja no Mundo

Do “like” ao “amém”: mensagem do Papa para o Dia das Comunicações Sociais

Este ano, a celebração do Dia Mundial das Comunicações Sociais será em 2 de junho, sobre o tema « “Somos membros uns dos outros” (Ef 4, 25): das comunidades de redes sociais à comunidade humana ».

 

Como é tradição, na memória de São Francisco de Sales, 24 de janeiro, foi divulgada a mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

Este ano, a celebração é no dia 2 de junho, sobre o tema «“Somos membros uns dos outros” (Ef 4, 25): das comunidades de redes sociais à comunidade humana».

Ser-em-relação

No texto, o Pontífice convida a refletir sobre o fundamento e a importância do “nosso ser-em-relação”.

“Se é verdade que a internet constitui uma possibilidade extraordinária de acesso ao saber, também é verdade que se revelou como um dos locais mais expostos à desinformação e à distorção consciente e pilotada dos fatos e relações interpessoais, a ponto de muitas vezes cair no descrédito”, constata o Papa.

Se por um lado as redes sociais servem para nos conectar melhor, por outro elas se prestam a um “uso manipulador, visando obter vantagens no plano político ou econômico, sem o devido respeito pela pessoa e seus direitos”.

Narcisismo

Francisco cita a estatística de que um em cada quatro adolescentes está envolvido em episódios de cyberbullying. Além do mais, eles estão mais expostos ao fenômeno dos «eremitas sociais», correndo o risco de se alhear totalmente da sociedade.

Isso significa que a comunidade de redes sociais não é, automaticamente, sinônimo de comunidade.

Muitas vezes, analisa o Pontífice, a identidade funda-se mais a partir daquilo que divide do que daquilo que une, o que dá margem ao preconceito e ao individualismo desenfreado. “Assim, aquela que deveria ser uma janela aberta para o mundo, torna-se uma vitrine onde se exibe o próprio narcisismo.”

Para que as conexões virtuais impliquem em verdadeiras conexões humanas, o Papa propõe as palavras usadas por São Paulo.

A metáfora do corpo e dos membros leva-nos a refletir sobre a nossa identidade, que se funda sobre a comunhão e a alteridade. Como cristãos, todos nos reconhecemos como membros do único corpo, cuja cabeça é Cristo. As pessoas não são potenciais concorrentes.

“Deus não é Solidão, mas Comunhão; é Amor e, consequentemente, comunicação, porque o amor sempre comunica. (…) Só sou verdadeiramente humano, se me relacionar com os outros.”

Do “like” ao “amém”

A rede só será uma oportunidade se soubermos vivenciar na prática as conexões feitas através da tecnologia. Portanto, conclui Francisco, é preciso passar do “like” ao “amém”.

“Esta é a rede que queremos: uma rede feita não para capturar, mas para libertar, para preservar uma comunhão de pessoas livres. A própria Igreja é uma rede tecida pela Comunhão Eucarística, onde a união não se baseia nos «likes», mas no «amém» com que cada um adere ao Corpo de Cristo, acolhendo os outros.”

Fonte: www.vaticannews.va

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Aloísio Vitral

Quinto Bispo da Diocese de Sete Lagoas, empossado para essa Igreja Particular no dia 16 de Dezembro de 2017.

Rádio Diocesana”></a></p>
</div>
		</div><div id=

Share This