Igreja no Mundo

Falecimento do Monsenhor Lázaro de Assis Pinto

O arcebispo dom Walmor, os bispos auxiliares, padres e fiéis da Arquidiocese de Belo Horizonte estão em oração pelo Monsenhor Lázaro de Assis Pinto, que faleceu nesta terça-feira, dia 3 de julho. O velório será realizado hoje, a partir das 21h30, na Paróquia Nossa Senhora Rainha (Rua Modesto Carvalho Araujo, 227 – Belvedere), onde também será celebrada Missa, amanhã, dia 4 de julho, às 9h.

História

Monsenhor Lázaro nasceu em 13 de outubro de 1930 e é natural de Cláudio, Minas Gerais. Graduou-se em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em 1979. Iniciou sua carreira na docência em 1956, lecionando no curso livre com formação superior para a vida eclesiástica ofertado pelo Seminário do Coração Eucarístico de Jesus (Sacej). Atuou como membro do Conselho Estadual de Cultura e assessor da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Minas Gerais à frente de programas de recuperação de dependentes químicos.

Em 1971, iniciou sua trajetória na PUC Minas, onde exerceu diversos cargos. Foi professor nos cursos de graduação em filosofia, economia e direito, ministrando as disciplinas de cultura religiosa, história da filosofia, cultura metafísica, ética, entre outras. Foi coordenador do núcleo de cultura religiosa, vice-diretor e, posteriormente, diretor do Instituto de Ciências Humanas da Universidade. Em 1984, tornou-se vice-reitor e, em 1987, foi empossado na reitoria da Universidade, cargo que exerceu por dois anos. Além disso, foi professor e coordenador do Instituto de Filosofia e Teologia Dom João Resende Costa, da PUC Minas, e membro suplente do Conselho Fiscal da Fundação Dom Cabral, entre 1979 e 1985.

Além de professor e coordenador do curso de filosofia da PUC Minas, era presidente do Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais (CEE-MG). Também era patrono geral da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Recebeu diversos prêmios e títulos, entre eles, dois títulos de Doutor Honoris Causa, a medalha de ouro Santos Dummont e a medalha da Inconfidência, ambas outorgadas pelo governo do estado de Minas Gerais, além da medalha do pacificador, concedida pela Presidência da República em 1982. Também foi capelão do Hospital Mater Dei.

Share This