Igreja no Mundo

Papa: humildade e mansidão para curar e converter

Para abrir o coração dos outros e convidar à conversão são necessárias mansidão, humildade e pobreza, seguindo os passos de Cristo: foi o que disse o Papa Francisco na homilia da missa celebrada na Casa Santa Marta (07/02). A sua reflexão partiu do trecho do Evangelho de Marcos (Mc 6,7-13) proposto pela Liturgia do dia: a mensagem é precisamente a “cura”.

Verniz

Jesus convida os seus discípulos a curar, assim como Ele mesmo veio ao mundo para curar, “curar a raiz do pecado em nós”, “o pecado original”. “Curar é um pouco como recriar”, observou o Papa: “Jesus nos recriou a partir da raiz e depois fez com que fôssemos avante com o seu ensinamento, com a sua doutrina, que é uma doutrina que cura”, sempre. E o primeiro mandamento que dá é a conversão.

A primeira cura é a conversão no sentido de abrir o coração para que entre a Palavra de Deus. Converter-se é olhar para o outro lado, convergir para outra parte. E isso abre o coração, mostra outras coisas. Mas se o coração estiver fechado, não pode ser curado. Se alguém está doente e por teimosia não quer ir ao médico, não será curado. E a eles diz, primeiro: “Convertam-se, abram o coração”. Mesmo que nós cristãos façamos tantas boas coisas, mas se o coração estiver fechado, é só verniz por fora.

E na primeira chuva, desaparecerá. Portanto, Francisco exortou a se questionar: “Eu sinto este convite a me converter, abrir o coração para ser curado, para encontrar o Senhor, para ir avante?”. Para proclamar que as pessoas se convertam, é preciso porém autoridade. Para conquistá-la, Jesus diz no Evangelho, diz “não levem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro”. Ou seja, a pobreza.

Não se cura buscando o poder

O Papa convidou à “pobreza, humildade, mansidão”. E como exorta Jesus no Evangelho, “se não os receberem, vão para outra parte!”, fazendo o gesto de sacudir as sandálias, mas – reiterou Francisco – com mansidão e humildade, porque esta é a atitude do apóstolo.

Se um apóstolo, um convidado, qualquer um de vocês – há tantos convidados aqui -, vai um pouco com o nariz empinado, acreditando ser superior aos outros ou buscando algum interesse humano ou – não sei – buscando posições na Igreja, jamais curará alguém, não conseguirá abrir o coração de ninguém, porque a sua palavra não terá autoridade. O discípulo terá autoridade se seguir o passos de Cristo. E quais são os passos de Cristo? A pobreza. De Deus se fez homem! Ele se aniquilou! Ele se despiu! A pobreza que leva à mansidão, à humildade. O Jesus humilde que sai pela estrada para curar. E assim, um apóstolo com esta atitude de pobreza, de humildade, de mansidão, é capaz de ter a autoridade para dizer: “Convertam-se”, para abrir os corações.

Interessar-se pelas pessoas

Depois de exortar à conversão, os convidados expulsavam muitos demônios, com a autoridade de dizer: “Não, este é um demônio! Isso é pecado. Esta é uma atitude impura! Você não pode fazê-lo”. Mas é preciso dizer com “a autoridade do próprio exemplo, não com a autoridade de alguém que fala lá de cima, mas não está interessado nas pessoas”, destacou ainda Francisco, explicando que isso não é autoridade, é autoritarismo”. “Diante da humildade, diante do poder do nome de Cristo com o qual o apóstolo exerce a sua missão, se é humilde, os demônios fogem”, porque não suportam que os pecados sejam curados.

Os enviados curavam também o corpo, ungindo com óleo muitos enfermos. “A unção é a carícia de Deus”, afirmou o Papa: o óleo, de fato, é sempre uma carícia, amacia a pele e faz se sentir melhor. Portanto, os apóstolos devem aprender “esta sabedoria das carícias de Deus”. “Assim um cristão cura, não somente um bispo”: “cada um de nós – reiterou Francisco –, tem o poder de curar” o irmão ou a irmã “com uma palavra doce, com a paciência, com um conselho, com um olhar, mas como o óleo, humildemente”.

Todos nós precisamos ser curados, todos, porque todos temos doenças espirituais, todos. Mas também todos nós temos a possibilidade de curar os outros, mas com esta atitude. Que o Senhor nos dê esta graça de curar como Ele curava: com a mansidão, com a humildade, com a força do pecado, contra o diabo e ir avante nesta bela missão de nos curar entre nós: “Eu curo uma pessoa e me deixo curar por outra”. Entre nós. Esta é uma comunidade cristã.

Fonte: vatican.va 

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Aloísio Vitral

Quinto Bispo da Diocese de Sete Lagoas, empossado para essa Igreja Particular no dia 16 de Dezembro de 2017.

Rádio Diocesana”></a></p>
</div>
		</div><div id=

Share This