Destaques Formação Permanente

A vida não é parte de nós: é nosso todo!

As tensões das últimas semanas, carregadas de tantos dilemas, lágrimas e assombramentos com a violência, começa a se abrandar. Ao menos até a próxima notícia trágica, nosso amigo “tempo” vai passando e diminuindo os medos e sentimentos diversos. É nessa hora que nos acomodamos! Perdemos a capacidade de indignação e começamos a nos fechar nos conforto da individualidade. Muitos ainda choram seu mortos. Outros tantos já seguem como se nada os abalasse. Tantos homens, mulheres e famílias encontram-se perdidas com enormes faltas deixadas em casa. Outros já sofisticam as programações e planejam suas próximas aventuras, viagens, passeios.

A vida e suas contradições promove esses ângulos. Algumas vozes proféticas gritam: “ela é alegria ou é sofrimento… ela é uma doce ilusão”? E no fundo de nós mesmos o desejo de renascer brota com aspirações por mudanças, novas oportunidades, sonhos e realizações. Desafiamo-nos a conhecer bem seus entre laços para não passarmos como estranhos na própria casa da existência, ainda que alguns hábitos deslizem das nossas mãos.

Não temos como controlar a vida. Ela mais tarde ou ainda cedo, nos desafia a compreender que não é parte de nós: é o nosso todo.

Logo, o que hoje instiga a não parar para rever, reconstruir, resignificar, reelaborar os próximos passos, está diretamente ligado à essa cultura individualista que toma conta da nossa consciência e do nosso coração. Culpamos o sujeito que entra na mesquita e mata. Julgamos os jovens que friamente planejam suas violentas ações. Colocamos toda responsabilidade na atitude de um e do outro. É mais fácil entender assim, deslocando para o individual, projetando para o privado. Então, o sofrimento volta a ser da família que perdeu seus filhos, da professora que viu os alunos mortos, do sujeito que esteve envolvido diretamente com os fatos.

Os cristão tinham tudo em comum. Sofriam e sorriam juntos. Assumiam a vida como um todo que a todos pertencia e colocavam tudo em comum. Se queremos a justiça e a dignidade como bem comum, por políticas públicas, por projetos para o bem de todos, somos todos responsáveis. A dor e a responsabilidade não pode recair sobre o sujeito, vítima ou senhor solitário da ação. O que afeta alguns é também a dor de todos. O que é conquista para salvar os que precisam é disponível para todos quando necessitarem. O que transforma os sonhos para o bem destes, também é direito para aqueles. E todos somos responsáveis! E todos ganhamos! Sofremos, choramos, conquistamos e lutamos juntos pelo bem comum.

Pe. Evandro Alves Bastos

Fonte:  Site Catequese Hoje 

 

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹mar 2021› » 
Share This