Igreja no Mundo

Cuidado com a casa comum: “o tempo está se esgotando”

Nesta terça-feira, 18 de junho de 2019, completam-se quatro anos desde que a encíclica Laudato Si’ pôde ser conhecida pelo mundo todo. O alerta para a urgente mobilização frente à crise socioambiental vivida no mundo, com o chamado à conversão ecológica, agora ganhou contornos de urgência: “o tempo está se esgotando”, disse o Papa Francisco, na última semana a dirigentes de empresas petrolíferas que participava do encontro sobre “A transição energética e a tutela da casa comum”.

O encontro promovido na Casina Pio IV, nos Jardins Vaticanos, pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, teve a participação do Papa Francisco, que manifestou sua preocupação com o “momento crítico” que o planeta está vivendo.

“Queridos amigos, o tempo está se esgotando! As reflexões devem ir além das meras explorações daquilo que pode ser feito e concentrar-se sobre o que precisa ser feito”, exortou o Pontífice.

O Papa Francisco ressaltou que a atual crise ecológica, “especialmente a mudança climática, ameaça o futuro da família humana”. Francisco lamentou o fato de que por muito tempo os frutos das pesquisas científicas foram coletivamente ignorados. Um dos mais recentes, citado por Francisco, foi o relatório sobre o impacto do aquecimento global se ultrapassada a marca de 1,5°C nos próximos anos.

“Como demonstra a atual situação, os pobres são os mais vulneráveis aos furacões, à seca, às inundações e aos outros eventos climáticos extremos. Por isso, certamente se requer coragem para responder ‘ao clamor sempre mais desesperado da terra e dos seus pobres’”, disse Francisco.

Francisco destacou a exigência dos jovens para que haja uma transformação. O mesmo destaque foi dado pelo prefeito do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, cardeal Cardeal Peter Turkson, em carta à comunidade científica por ocasião do aniversário da encíclica Laudato Si’:

“É bom juntar cientistas e jovens para pedir a nossa família humana, especialmente aqueles em posições de poder político e econômico, que tomem medidas drásticas para mudar de rumo. Devemos “pensar em um mundo único, um projeto comum” ( LS 164)). Devemos apelar aos líderes políticos para que sejam muito mais corajosos e ouçam o dramático grito da comunidade científica e o movimento juvenil pelo clima” – cardeal Turkson.

O cardeal ainda destacou o dever dos governos de respeitar os compromissos assumidos na conferência do clima realizada em Paris, no ano de 2015: “Para enfrentar essa crise climática alarmante, precisamos mobilizar a vontade e a decisão, bem como recursos econômicos de grande escala. Foi feito durante a crise financeira de 2007-2008 para salvar os bancos: não é possível fazer o mesmo agora para salvar a nossa casa comum, o futuro de nossos filhos e as gerações futuras?”, provoca.

Diálogo entre Igreja e empresas

O encontro no Vaticano examinou três pontos interconexos: uma correta transição energética, o preço do carvão e a transparência ao divulgar os riscos climáticos.

A transição implica uma gestão do impacto social rumo a uma sociedade com baixo consumo de carvão. “Se for bem administrada, esta transição pode gerar novas oportunidades de emprego, reduzir as desigualdades e aumentar a qualidade de vida para as pessoas afetadas pela mudança climática”, evidenciou o Papa.

 Fotos: Vatican Media e Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹Maio 2021› » 
Share This