Destaques Formação Permanente

O vazio da manjedoura

“O VERBO SE FEZ CARNE E ARMOU A SUA TENDA ENTRE NÓS”

Naquela paróquia da Cabana, na periferia de BH, o ladrão levou o menino Jesus. Ficou a manjedoura. Vazia! Piedosas senhoras reclamaram sentidas: “pobrezinho do menino Jesus”. O padre as consolou: “foi levado, mas é um gesso, não tem valor comercial”; “ficou a manjedoura vazia”! Mesmo assim, jovens dos Arautos, escravos de Maria, dos Anjos e Arcanjos, dos Discípulos, do Sangue de Jesus queriam fazer a busca deste sacrílego e, por fim, um bonito ato de desagravo à imagem do menino Jesus. A manjedoura está vazia!

Pois bem, “passamos pelas coisas sem as habitar”. Alguém disse: “Temos em nossa casa, na parede da sala de jantar a Santa Ceia. De tão acostumados, já não nos diz nada”. Quem sabe o ladrão leve a imagem da sala de jantar?  E do vazio da parede busquemos o essencial. Tal qual a manjedoura vazia!

Chegamos ao Natal! Habituados ao de sempre, estamos cansados com as correrias, os ativismos e as ansiedades. Vivemos de nossas trivialidades na cultura do consumo e descarte, num natal das distâncias e superficialidades. Portanto, são mil preocupações iniciadas em novembro. Cidades travestidas de luzes encobrem suas grutas. Nos shoppings, escancara-se a “felicidade” do Papai Noel. A árvore de Natal gigante fascina! Um extenso presépio, uma manjedoura imponente e um menino Jesus precoce e saudável são para foto.  Tudo fica tão cheio que não há lugar para nascer! As grutas estão vazias.

Dessa maneira, vamos armando nossas árvores e presépios, sem nomes e rostos. Como no dito: “compramos pronto”. Na sofreguidão do tempo e com veemência, somos o efêmero.  A velocidade impede-nos de viver. Resta-nos o vazio da falta de sentido. Estamos líquidos. Roubaram o menino da manjedoura! Agora, somos convidados a contemplar este vazio da manjedoura! Curtir o silêncio da noite escura, que é bela! Alegrar-se com os pastores e abrir-se às periferias geográficas e existenciais.

O verbo de Deus se fez carne e armou a sua tenda entre nós. Se o presépio é o lugar de sentir e tocar com os nossos sentimentos, então somos e fazemos a originalidade deste presépio vivo.  Contempla-se, a partir das grutas da vida, onde se encontram as manjedouras, no silêncio da noite, para acolher um menino frágil, vulnerável e humano, que armou a sua tenda entre nós. E Deus esvaziou o céu!

Contemplemos a manjedoura vazia!

Padre Warlem Dias

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹set 2021› » 
Share This