Destaques Notícias da Diocese

Orientações e sugestões para a Semana Santa-2021

Sete Lagoas, 25 de março de 2021.

 

“O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos

sumos sacerdotes e pelos escribas, ser morto e, ao terceiro dia, ressuscitar” (Lc 9,22).

 

Estamos aproximando-nos da Semana Maior da nossa fé, a Semana Santa. Mais uma vez, pesarosamente, vamos celebrar a Páscoa em meio às restrições decorrentes da pandemia da Covid-19. Em muitas de nossas paróquias não será possível a participação presencial dos fiéis nas Celebrações. Apesar destas restrições, queremos realizar as cerimônias da Semana Santa com todo o fervor que nos compete.

Cabendo a nossa solicitude pastoral, em comunhão com as orientações da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB e da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos (Portaria N.96/21), indicamos as disposições a serem observadas neste contexto de certas excepcionalidades na prática litúrgica.

            Nesta perspectiva, orientamos e recomendamos o seguinte:

1- USO DAS REDES SOCIAIS E DE OUTOS MEIOS DE COMUNICAÇÃOEm virtude deste tempo pandêmico, as redes sociais e outros meios de comunicação, tornaram-se grandes instrumentos de evangelização, favorecendo aos fiéis leigos manifestarem sua fé em suas respectivas necessidades. Assim sendo, sugerimos que, no decorrer da Semana Santa, se privilegie as redes sociais e outros meios de comunicação acessíveis e/ou disponíveis para transmitir as celebrações, permitindo aos fiéis, impossibilitados de frequentar a própria igreja, a acompanharem as celebrações.

 2- PROCISSÕES – Previstas sempre em nossas programações da Semana Santa, devem, contudo, ser evitadas, visando a não aglomeração de fiéis e, consequentemente, não possibilitando possíveis riscos à saúde pública.

3- DOMINGO DE RAMOS – seja utilizada a segunda forma prevista pelo Missal Romano (vide página 229, §12, 13, 14 e 15), dentro das igrejas, respeitando-se as orientações sanitárias e o percentual de ocupação das igrejas autorizado pelos decretos municipais. Os fiéis sejam previamente exortados a trazer seus próprios ramos de casa, uma vez que não devem ser distribuídos nas igrejas, evitando-se a entrega ou a troca destes. Pode também ser utilizada a terceira forma prevista no Missal Romano. Lembramos que, em ambas as formas a serem escolhidas, a leitura da Paixão do Senhor é prevista em todas as celebrações paroquias deste dia.

4MISSA DO CRISMA – Seja celebrada, a juízo do bispo diocesano, na medida do possível, com uma representação de “pastores, ministros e fiéis”. Em nossa Diocese, será celebrada na Quinta-Feira Santa, dia primeiro de abril, às 9h, na Matriz de Santa Luzia, em Sete Lagoas. Além dos bispos, sacerdotes e diáconos, propomos que cada paróquia motive a participação de um(a) leigo(a) nesta Celebração de caráter diocesano. Também as Famílias Religiosas e as Novas Comunidades poderão encaminhar um participante para a esta Celebração. Pedimos a gentileza de informar o nome dos participantes através do telefone da Cúria Diocesana (31) 3773-2270 (Luciana ou Carla) ou do email: [email protected]  , até o dia 30 de março.

5- MISSAS DA CEIA DO SENHOR – Seja omitido o Rito do Lava-pés. Esse rito, quando realizado, requer a presença física de pessoas, homens e mulheres. Por isso, não deve ser substituído por nenhuma outra iniciativa, ideia ou representação que possa ferir o valor simbólico-sacramental deste gesto ritual. No final desta celebração, após a oração depois da comunhão, omita-se também a Transladação do Santíssimo Sacramento, que deve ser conservado no tabernáculo como de costume.

“Não se pode fazer a exposição com o ostensório” (Paschalis Sollemnitatis, n. 55). O momento de adoração seja breve para se evitar a permanência dos fiéis dentro das igrejas por muito tempo.

6 – SEXTA-FEIRA SANTA – Conforme orientação do Missal Romano (Sexta-feira da Paixão do Senhor, pag.255 n. 12) o bispo pode autorizar ou determinar uma intenção particular. No contexto da pandemia, que tem vitimado tantas pessoas, também em nossa Diocese, repropomos a oração abaixo, a ser novamente inserida na Oração Universal, como número X, antes de se rezar “Por todos os que sofrem provações”:

  1. Pelos que padecem a pandemia do Covid-19

Oremos ao Deus da vida, salvação do seu povo, para que sejam: consolados os que sofrem com a doença e a morte, provocadas pela pandemia do novo coronavírus; fortalecidos os que heroicamente têm cuidado dos enfermos; e inspirados os que se dedicam à pesquisa de uma vacina eficaz.

Reza-se em silêncio. Depois o sacerdote diz:

Ó Deus, nosso refúgio nas dificuldades, força na fraqueza e consolo nas lágrimas, compadecei-vos do vosso povo que padece sob a pandemia, para que encontre finalmente alívio na vossa misericórdia. Por Cristo, nosso Senhor.

Para a Adoração da Santa Cruz, seja utilizada a genuflexão simples ou outro gesto apropriado, evitando a utilização do beijo ou qualquer outro contato físico: “o sacerdote toma a cruz e, de pé diante do altar, convida o povo em breves palavras a adorá-la em silêncio, mantendo-a erguida por um momento” (Missal Romano, Sexta-feira da Paixão do Senhor, pag. 261 n. 19).

 7 – SÁBADO SANTO – Propomos que na Vigília Pascal, além do Círio que permanecerá na Matriz, acenda-se também os círios a serem encaminhados para as comunidades da Paróquia. A incisão destes Círios (de tamanho menor que o da Matriz) poderá ser feita antes da Celebração da Vigília e sejam acesos no momento da Liturgia Batismal, em alusão aos batizados que, não se fazendo presentes na Vigília, devido às restrições decorrentes da pandemia, irão celebrar o Tempo Pascal em cada uma das comunidades da paróquia.

A Solene Vigília Pascal seja celebrada conforme sua estrutura própria. Pode-se, porém, seguir algumas indicações particulares (Missal Romano, Vigília Pascal, n. 13). Liturgia da Palavra (segunda parte): sugerimos a proclamação do número reduzido dos textos bíblicos para se evitar o prolongamento da celebração, ou seja: “Leiam-se pelo menos três leituras do Antigo Testamento ou, em casos especiais, ao menos duas. A leitura do Êxodo, cap. 14, nunca pode ser omitida” (Missal Romano, Vigília Pascal, n. 21). Do Novo Testamento, leiam-se a Epístola e o Evangelho.

Na difícil travessia desta aterrorizante pandemia, roguemos ao Bom Jesus dos Aflitos, e sua Santíssima Mãe, Nossa Senhora Auxílio dos cristãos, que nossas ações litúrgicas sejam frutuosas e dispensadoras do ânimo batismal na vida do povo a nós confiado, em cada porção desta Igreja Particular de Sete Lagoas.

 

Dom Francisco Cota de Oliveira

Bispo Diocesano de Sete Lagoas

 

Pe. Emerson Rodrigo Pereira

Pela Comissão Pastoral para a Liturgia

e Mestre de Cerimônias Diocesano

 

A todos nossos votos de uma santa Páscoa!

 

 Baixe o documento da íntegra: CLIQUE AQUI

Fontes: Anexos

Foto de destaque: Encenação da Paixão (Paróquia do Divino Espírito Santo – Sete Lagoas)

 

Por Ascom 

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹abr 2021› » 
Share This