Destaques Notícias da Diocese Voz do Pastor

Carta pastoral: sobre a continuidade dos templos fechados

 

 

Naquela hora, Jesus disse à samaritana: «Mulher, acredite em mim. Está chegando a hora, em que não adorarão o Pai, nem sobre esta montanha nem em Jerusalém. Mas está chegando a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores vão adorar o Pai em espírito e verdade. Porque são estes os adoradores que o Pai procura.

Deus é espírito, e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.» (Jo 4,21-24)

 

O Pai, que é rico em Misericórdia, não cessa de nos assistir (pois somos filhos muito amados!) durante a caminhada por este planeta-jardim que Ele nos empresta para ser cuidado, usufruído e partilhado entre irmãos. O carinho de Deus se mostra como assistência de Pai, mas não disfarça suas entranhas maternas. Entre as diversas e criativas formas de falar conosco, lembramos duas: a primeira e fundamental, é a Encarnação do Verbo – o Filho Unigênito – em Jesus de Nazaré. A segunda, o Pai nos fala através dos sinais dos tempos.

João conta em seu Evangelho, que o Mestre não vincula o culto a lugares definidos – Monte Garizin ou Templo de Jerusalém. Ele afirma de que jeito devemos adorar: em espírito e verdade.

Paro um pouco para imaginar um Profeta vendo a nossa realidade. Uma situação de luta, de dor, de tristeza, de isolamento que obrigou o fechamento dos nossos templos. Certamente ele veria as causas, as muitas causas: nós nos esquecemos de cumprir a Lei Maior, o Mandamento do Amor, e a volta ao que é essencial. Mas também veria com clareza o Mundo Novo que vai surgir quando atravessarmos a porta que se esconde no fundo dessa crise. Vai ser um mundo diferente, é certo. Será melhor, se nós formos melhores; será pior, se não aprendermos as lições magistrais do nosso sofrimento.

O fechamento de nossos templos é uma das nossas dores mais profundas. Que essas dores não sejam de agonia, mas de parto. Que nasça um jeito mais precioso de adoração, como o que previu Jesus para os futuros adoradores – em Espírito e Verdade.

Nós vivemos na comunidade e atuamos nela a maior parte do tempo. Importa termos um olhar cristão dela e aprimorar o nosso papel em seu meio. As igrejas-templos nos oferecerão refúgio adequado para o nosso encontro com o Pai e com os irmãos. E ali, quer seja em oração pessoal, quer seja em conjunto com a Comunidade em celebração coletiva, nós louvaremos o Pai, daremos graças pelos dons da vida, da fé e dos nossos talentos – para pensar uma maneira de sairmos do templo para melhor coloca-los a serviço de todos. E sairemos alimentados fartamente com o Pão da Palavra e da Eucaristia.

As Igrejas não estão fechadas sem propósito. O Espírito Santo nos guiará por melhores caminhos na sua reabertura.

Desejo que seja em breve!

+ Dom Aloísio Vitral

Bispo Diocesano de Sete Lagoas

Assista também:

Live explicativa sobre a continuidade dos templos fechados

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹ago 2021› » 
Share This