Formação Permanente

Tornar-se cristão

Paulo obriga-nos a manter uma distância crítica em relação ao “naturaliter christianus” de que falava Tertuliano. Não, Paulo não é espontaneamente cristão, nem nós o somos. Ele chega ao cristianismo numa dramática contramão, quando nada o fazia prever, que comportou uma inversão total do seu destino.

Não é por acaso que Lucas o descreve «caído por terra» (Atos 22,7), atingido por uma cegueira funcional (como se tivesse de voltar a aprender o que significa ver), e conduzido por outros, pela mão (Atos 22, 11).

Nem é inopinadamente que a sua própria história o torna objeto de surpresa e desconcerto – «aquele que uma vez nos perseguia, agora está a anunciar a fé que em tempos queria destruir» (Gálatas 1,23), diziam os cristãos da Judeia.

O cristianismo em Paulo começa com a necessária operação de instauração, ou de re-instauração, do sujeito crente. Assim, a lição de Paulo é que nós não somos cristãos, mas sobretudo tornamo-nos, e obriga-nos a romper com o conformismo teológico de um cristianismo como dado adquirido, que se dá simplesmente como previsível.

Verdadeiro é o oposto: com Paulo, o crer torna-se regulado e modelado por uma experiência de transformação. Como ele próprio escreve na Segunda Carta aos Coríntios: «Nós todos que, com o rosto descoberto, refletimos a glória do Senhor, somos transfigurados na sua própria imagem» (3,18).

D. José Tolentino Mendonça 
In Avvenire
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: “Conversão de S. Paulo” (det.) | Caravaggio
Publicado em 10.07.2019 no SNPC

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário

Voz do Pastor

Dom Francisco Cota

Dom Francisco Cota

Em 10 de junho de 2020 foi nomeado pelo Papa Francisco, o sexto bispo da Diocese de Sete Lagoas (MG).

Agenda Diocesana

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 « ‹jul 2021› » 
Share This